Minhas Canções.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O Mito do Dragão

Dragões ou dragos,  são criaturas presentes na mitologia dos mais diversos povos e civilizações. São representados como animais de grandes dimensões, normalmente de aspecto reptiliano (semelhantes a imensos lagartos ou serpentes), muitas vezes com asas, plumas, poderes mágicos ou hálito de fogo. A palavra dragão é originária do termo grego drakôn, usado para definir grandes serpentes.
Em vários mitos eles são apresentados literalmente como grandes serpentes, como eram inclusive a maioria dos primeiros dragões mitológicos, e em suas formações quiméricas mais comuns. A variedade de dragões existentes em histórias e mitos é enorme, abrangendo criaturas bem mais diversificadas. Apesar de serem presença comum no folclore de povos tão distantes como chineses ou europeus, os dragões assumem, em cada cultura, uma função e uma simbologia diferentes, podendo ser fontes sobrenaturais de sabedoria e força, ou simplesmente feras destruidoras.
Dragões ao redor do mundo
A imagem mais conhecida dos dragões é a oriunda das lendas europeias (celta/escandinava/germânica) mas a figura é recorrente em quase todas as civilizações antigas. Talvez o dragão seja um símbolo chave das crenças primitivas, como os fantasmas, zumbis e outras criaturas que são recorrentes em vários mitos de civilizações sem qualquer conexão entre si.
Há a presença de mitos sobre dragões em diversas outras culturas ao redor do planeta, dos dragões com formas de serpentes e crocodilos da Índia até as serpentes emplumadas adoradas como deuses pelos astecas, passando pelos grandes lagartos da Polinésia e por diversos outros, variando enormemente em formas, tamanhos e significados.
O escritor grego Filóstrato, dedicou uma extensa passagem da sua obra Vida de Apolônio de Tiana aos dragões da Índia (livro III, capítulos VI, VII e VIII). Forneceu informações muito detalhadas sobre esses dragões.
Os dragões da cultura persa, de onde aparentemente se originou a ideia de grandes tesouros guardados por eles e que poderiam ser tomados por aqueles que o derrotassem, hoje tema tão comum em histórias fantásticas.
Na antiga Mesopotâmia, no mito, a dracena (ou dragã-fêmea) Tiamat, apontada por diversos autores como uma personificação do oceano, e seu consorte mitológico Apsu, considerado como uma personificação das águas doces sob a terra, unem-se e dão à luz os diversos deuses mesopotâmicos. Apsu, no entanto, não conseguia descansar na presença de seus rebentos, e decide destruí-los, mas é morto por Ea, um de seus filhos. Para vingar-se, Tiamat cria um exército de monstros, dentre os quais 11 que são considerados dragões, e prepara um ataque contra os jovens deuses. Liderados pelo mais jovem entre eles, Marduk, que mais tarde se tornaria o principal deus do panteão babilônico, os deuses vencem a batalha e se consolidam como senhores do universo. Do corpo morto de Tiamat são criados o céu e a terra, enquanto do sangue do principal general do seu exército, Kingu, é criada a humanidade. O Dragão de Mushussu é subjugado por Marduk, se tornando seu guardião e símbolo de poder.
Na China, a presença de dragões na cultura é anterior mesmo à linguagem escrita e persiste até os dias de hoje, quando o dragão é considerado um símbolo nacional chinês. Na mitologia chinesa os dragões chamam-se long e dividem-se em quatro tipos: celestiais, espíritos da terra, os guardiões de tesouros e os dragões imperiais. O dragão Yuan-shi tian-zong ocupa uma das mais altas posições na hierarquia divina do taoísmo. Ele teria surgido no princípio do universo e criado o céu e a terra.
Nas lendas japonesas os dragões desempenham papel divino semelhante. O dragão Ryujin, por exemplo, era considerado o deus dos mares e controlava pessoalmente o movimento das marés através de jóias mágicas.
Os dragões aparecem mais raramente nos mitos dos nativos americanos, mas existem registros históricos da crença em criaturas "draconídeas".
Dragões na Alquimia
Na alquimia, o dragão expressa a manifestação do ser superior. Há quatro dragões alquímicos; o Dragão do Ar, que é o Mercúrio dos Sábios; o Dragão da Água, o Sal Harmônico; o Dragão do Fogo, o Enxofre dos Sábios; e o Dragão da Terra, o Chumbo dos Sábios, o negrume. Além desses elementos, o sangue do dragão é o ácido e o processo corrosivo do trabalho alquímico. Esses quatro dragões são os quatro aspectos de Lúcifer, o protótipo original do homem-anjo e do homem-besta em seu aspecto primitivo, primordial e superior. O dragão alquímico, ou Lúcifer, é o dragão iniciador da luz e das trevas que são elementos unificados, resultando na consciência espiritual e na aquisição de sabedoria (Sophia). Tal iniciação ocorre nos quatro Elementos alquímicos que são parte do iniciado alquimista.
Segundo o escritor de filosofia oculta, o lusobrasileiro Adriano Camargo Monteiro, em seu estudo de dracologia alquímica, o dragão é um hieróglifo dos quatro elementos (Ar, Fogo, Água e Terra), assim como da matéria volátil e da matéria densa, representados pelo dragão alado e pelo dragão sem asas, respectivamente.
Como criatura alada, o dragão luciférico representa os poderes do Elemento Ar e a volatilização. É força expansiva, inteligência, pensamento, liberdade, a expansão psicomental, a elevação espiritual. Como criatura ígnea que é capaz de cuspir fogo, ele possui os poderes do Elemento Fogo, a calcinação, a força radiante, a energia ígnea que cria e destrói. É o aspecto que está relacionado à intuição espiritual que vem como uma labareda, e à vontade espiritual. Como criatura escamosa aquática, o dragão expressa os poderes do Elemento Água, a força fluente e a dissolução da matéria. É o aspecto que simboliza as emoções superiores, a alma, o inconsciente individual como fonte de conhecimento. Como um ser terrestre que caminha sobre quatro patas e habita em profundas cavernas, o dragão representa os poderes do Elemento Terra, a força coesiva, a matéria e o corpo físico do alquimista.
Esses são os perfeitos dragões alquímicos luciféricos, manifestados no iniciado.
Fonte: wikipedia

O Dragão é mais uma criatura mítica maravilhosa, não precisa saber nada sobre ele, somente visualizando ele, você já tira suas opiniões pois ele transmite força , tenacidade, vontade, coragem, objetivo a seguir.
O ano de 2012, segundo o Horóscopo Chines, vai ser o ano governado pelo Dragão da Água. 
A próxima postagem vou falar  sobre isso.

"A vida não é uma vela fugaz. É uma esplêndida tocha que quero fazer arder tão brilhantemente como seja possível antes de entregá-la a gerações futuras" 
(pensamento chinês)
Abraços de fatura.
Lua.

9 comentários:

  1. minha mãe sempre falava que se reparar bem na lua, encontra o são jorge e o dragão, não sei se é verdade, nunca vi e nem prestei a atenção. Bom saber um pouco sobre o significado dos dragões!

    ResponderExcluir
  2. Los dragones siempre los hemos tenido presentes en los cuentos de princesas y príncipes, en el plano de malo. Pero en realidad un dragón es mágico, místico y perteneciente al reino del fuego y los seres que lo componen.

    Un beso mágico con mi cariño amiga mía, gracias por tu presencia en mi mundo de hadas.

    ResponderExcluir
  3. Well well, amo dragões!!!
    Meu signo é dragão!!! Rs
    Postagem ótima, super completa.
    Nem imaginava sobre os dragões na alquimia.
    Mas, você escreveu, escreveu e não disse de acredita se eles existiram ou não!? Rs
    Abraxos

    ResponderExcluir
  4. Mais uma blogueira unida para fazer parte do seu cantinho.
    Parabéns pelo seu trabalho e desempenho no blog.
    Uma ótima semana.
    bjs

    http://cantinhodabt.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Ciao Lua, hai fatto una bella ricerca sui draghi. Sicuramente sai che anche San Giorgio ne uccise uno. Ebbene, quasi tutti i visitatori di Venezia credono che la statua su una delle due colonne sia quella di San Giorgio. In realtà si tratta di San Todaro, che era il primo santo protettore di Venezia, prima che lo diventasse San Marco. Anche San Todaro aveva ucciso un drago, ma sulla colonna assomiglia di più ad un coccodrillo.
    Il tuo post mi è piaciuto molto. Buona continuazione di giornata.

    ResponderExcluir
  6. Olá amiga Lua, tenho andado um pouco ausente ,mas passei para desejar um maravilhoso fim de semana.
    Amiga adoro dragões, gostei do post.
    Mil beijokas
    Maria

    ResponderExcluir
  7. * Querida SIMONE, minha mãe me amostrava várias coisas na lua, e entre elas o mesmo que a sua mãe te mostrava. Aprendi a enxergar a lua e interpretar suas imagens.
    Beijos de luar.


    * ROSANA querida seu site para mim foi um grande achado de beleza mistica, de belas postagem. Eu realmente amo te visitar.
    Beijos de fadas.


    * Querido amigo Wilson, amo os dragões, e aprendi que toda lenda tem um fundo de verdade. E todo o mito hoje, é histórico sem comprovação científica rsrsrs.
    Beijos de calor.


    * Seja bem vinda sempre CANTINHODABT, irei te visitar.
    Beijos de alecrim.


    * ELIO amigo, não sabia sobre a história de San Todaro, agradecida por compartilha mais esse conhecimento comigo.
    Abraços de luz.


    * Querida amiga MARIA, estava com saudades, agradecida pelo carinho.
    Beijos de alegria.
    Lua.

    ResponderExcluir

Peço que se identifique, pois comentário ANÔNIMO é igual chamada restrita, você não sabe da onde vem e como retribuir.

Bençãos da Deusa.
Blessed be!!
Lua.